sábado, 12 de fevereiro de 2011

Ternura







Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor
seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentando
Pela graça indizível
dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura
dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer
que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras
dos véus da alma...
É um sossego, uma unção,
um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta,
muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite
encontrem sem fatalidade
o olhar estático da aurora.

Vinícius de Moraes

6 comentários:

  1. ola passando aqui pra dizer que amei o blog ta muito show e virei seu seguidor se quiser seguir o meu agradeço abraços e sucesoss na vida
    tenha um bom dia!!!!
    http://audienciadatvrealtimes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Xênia, adorei o blog. Poemas muito profundos. Pelo seu estilo arrojada e, ao mesmo tempo, romântica, acho que também vai gostar do meu blog. Tem críticas, contos, reflexões e um livro que narra algumas das minhas aventuras amorosas. Espero que goste:
    http://identidaderestrita.blogspot.com/
    Entra lá, confere e comenta!

    ResponderExcluir
  3. Realmente poemas de conteúdo qualificados. Sem as mesmices do tema e quando sim, com a versatilidade de versos tradicionais, de literatura conceituada. Parabéns.
    O meu blog não é assim tão bom, mas é sincero e de própria lavra.
    http://amorepoemasdeamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Xenia,
    estou aqui em seus seguidores.
    achei seu blog muito interessante...
    Venha conhecer o meu

    http://despertardocoracao.blogspot.com/

    beijos e parabéns..

    Anna.

    ResponderExcluir
  5. Dedilhar versos de um amor
    resignado
    completamente apaixonado
    que bebe o lindo sorriso
    e acaricia a sombra
    como quem abraça um corpo
    mormo
    e desse amor ausente
    arredio fugidio fugaz
    deixar uns verso desses
    de presente
    somente o poeta Vinicius de Moraes.


    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  6. Poema Lindíssimo ! Onde me remeteu a um poema interessante que achei nas madrugadas; indico a leitura do mesmo a ( autora/leitores ) tenho certeza que iram gostar ...
    http://palavrasdecertosdilemasoficial.blogspot.com.br/2016/04/escolhas.html

    Boa Madrugada e Parabéns pelos Poemas !

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget