sexta-feira, 31 de julho de 2009

Noite gelada






Inverno ...
A noite, abruptamente apressada
Abocanha o tênue fiapo do dia moribundo,
Que vencido se entrega aos seus goles vorazes.
Esta, vaidosa e prepotente
Nos domínios da vida, escurece.
Apesar do seu frio lancinante
Quegelam almas e sentimentos
Nos apetece a visão estonteante
De galáxias cintilantes.
Tem a magia ainda que, instantes
Aflorar nossos sonhos, fantasias.
Meu corpo gelado, tiritante
Inconscientemente te deseja
Envolvendo-me de amor
Que do ardor me aquece.
E esta profusão de sentimentos
Me esquece a distância
E o teu amor me basta.

jarossi

Um comentário:

Ocorreu um erro neste gadget